Make your own free website on Tripod.com

Castanheira do Vouga

brascast.jpg (7565 bytes)

 

    Número de habitantes: 706

    Área: 3441 ha

    Lugares: Avelal de Baixo, Avelal de Cima, Castanheira do Vouga, Falgarosa, Falgoselhe, Igreja, Massadas, Redonda, Serra de Baixo, Serra de Cima, Talhadas e Vale da Galega

    Esta freguesia do Concelho terá sido naturalmente uma das mais referenciadas pelos estudiosos da Literatura Portuguesa, nomeadamente a partir de 23 de Outubro de 1826. Esta é a data da instalação e começo da estadia dos dois irmãos Castilho, um como pároco da aldeia, Dr. Augusto Frederico de Castilho, e o outro como seu acompanhante quase inseparável e como escritor, António Feliciano de Castilho, que marcou uma etapa notável na história da Literatura Portuguesa e que aí teve a oportunidade de escrever páginas brilhantes sobre a região que bem conhecia de longa data.

    A povoação de Castanheira do Vouga foi em tempos mais recuados, sede de um pequeno concelho que gozou de uma situação atraente e apreciada, nas encostas montanhosas entre os rios Vouga e o Alfusqueiro. Era designado  por Concelho de Castanheira da Beira e, no Censo de 1527, fazia parte do Cadastro da Beira. Pertencia ao Conde da Feira e era limitado por Mortágua, S. João do Monte, Préstimo, Bolfiar e Cequins, actual Assequins.

    A sua igreja, do século XVII, é já uma reconstrução posterior, em que foram aproveitados materiais anteriores quer na reedificação quer na ornamentação interior.

    A imagem de São Mamede, que é titular do templo e o orago da freguesia, é de madeira e ocupa lugar de destaque no altar principal. Na decoração geral do interior, podem ver-se, em retábulos especiais, a imagem de Santo António e, em relevo, as Almas do Purgatório, a imagem de São Miguel e a Trindade. Nogueira Gonçalves informa que havia nas paredes duas telas do século XVIII, em mau estado de conservação, representando a Virgem da Soledade e a Flagelação de Cristo.

    Perto da igreja, pode observar-se a pequena capela de São Jorge que encerra um  relevo do próprio orago, como homem de guerra a cavalo, dominando o monstro, obra do século XVII.

    Existe ainda a chamada capela do Espírito Santo com esculturas de pedra da Trindade e de Santo Amaro (séc. XVII) e, mais antiga, a de Santa Luzia.

    Dentro da programação das celebrações dos 200 anos do nascimento de António Feliciano de Castilho, foi urbanizado o terreno circunjacente da chamada Fonte de Castilho, também recuperada, tendo, sido erigído um monumento com o busto deste autor. Prevê-se também a restauração da antiga residência dos dois irmãos Castilho, na frente da qual existiu o afamado cedro do Poeta, plantado pelas suas próprias mãos.

                     cast1.jpg (27058 bytes)                             cast2.jpg (69083 bytes)

      Busto do Poeta António Feliciano de Castilho        Fonte de Castilho restaurada

    Fundamentalmente, pela situação da sua área territorial, a população de Castanheira do Vouga ficou ligada intimamente às actividades da agricultura e do aproveitamento da floresta, de acordo com os seus lugares dispersos nas pregas serranas, com vistas que podem satisfazer qualquer visitante apreciador da natureza envolvente.

    O pavoroso incêndio nas matas serranas da região, em1986, deu origem à construção de um monumento evocativo à memória dos bombeiros que então perderam a vida horrorosamente, na luta constante que tiveram que travar contra essa calamidade que continua a grassar o nosso país.

prev.gif (10333 bytes)